O diretor Halder Gomes e o cantor, ator e comediante Falcão vieram a Recife promover o longa Cine Holliúdy 2 – A Chibata Sideral, e o Estação Nerd estava lá para entrevistá-los. Confira abaixo essa entrevista porreta:

Estação Nerd: “Falcão, como foi pra você reviver esse personagem (o cego Isaías) e como foi interpretar um personagem que é deficiente visual?

Falcão: “O retorno foi muito prazeroso, pois o filme é uma grande brincadeira; O filme tem bastante haver com a minha infância, lembra bastante onde vivi. O meu personagem agora é um entendido de cinema de ficção científica. Fazer o cego Isaías me ajudou bastante pois eu não sou “tarimbado” em ser ator e o cego não tem muita expressão facial e isso me ajuda na hora de atuar (risos). Mas fiz um estágio com meu amigo Waldecir e vou fazer um cego bem direitinho.”

Estação Nerd: Falcão já tem próximos trabalhos no cinema em mente?

Falcão: “Vamos fazer o Shaolin do Sertão 2, no próximo ano e quando o Cine Holliúdy 2 sair de cartaz, vamos estrear uma série na Globo baseada no primeiro Cine Holliúdy.”

Estação Nerd: Como foi a experiência, Halder Gomes, de dirigir essa sequência?

Halder Gomes: “A experiência é muito gostosa, voltar ao universo de Francisgleydisson é muito bom, ele é um retrato meu, da minha luta em fazer cinema e agora voltar em outro momento, numa fase onde ele precisa se reinventar e com a paixão que ele possui ele resolve agora ser cineasta. Contar essa nova fase é muito gratificante, pois esse filme é uma grande homenagem ao realizadores de filmes de baixo custo, do cinema mambembe, tão comuns aqui no Nordeste. Esse filme é para todos aqueles que fizeram e fazem o cinema na garra, independente de tudo.”

Estação Nerd: Planos pra um Cine Holliúdy 3?

Halder Gomes: Planos eu tenho muitos, tenho pro três, quatro, tenho ideias até o trinta e sete (risos), mas tudo depende do público. O filme é pra eles e quem sabe não temos uma continuação em breve.

Cine Holliúdy 2 – A Chibata Sideral entra em cartaz hoje ( 21/03). Então corre pra assistir o filme. Confira a nossa crítica AQUI