Crítica | Velozes e Furiosos: Hobbs & Shaw

Velozes e Furiosos estreou no cinema nos meados de 2001, como um filme para os amantes de possantes e carros espetaculares, o filme tinha como foco uma gangue de corredores de rua comandada por Vin Diesel (Vingadores: Guerra Infinita) que era investigada pelo policial rebelde Paul Walker (Ladrões). Depois de alguns anos (3 filmes sucessos de bilheteria) os filmes trilharam um caminho totalmente novo e renovaram seu foco, se tornando uma franquia de espionagem sobre rodas, bilionária que hoje é sinônimo de cenas de ação e perseguições pra lá de insanas/criativas. Bom Velozes e Furiosos, após 8 filmes, ganha seu primeiro filme derivado: Velozes e Furiosos: Hobbs & Shaw. Filme que pode ser resumido em um longa cheio de “tiro, porrada”… Mais porrada, mais tiros, muitas bombas e nada mais de interessante.

O novo projeto, também possui uma nova fórmula, se em Velozes e Furiosos à fórmula era: carros rápidos + dinâmica de polícia e ladrão, agora temos isso somado a homens imbatíveis e comédia pastelão. O resultado disso? Honestamente, não é nada consistente e possui muitos altos e baixos. A idéia do diretor David Leitch (John Wick 3: Parabellum) foi colocar o corpulento policial Luke Hobbs trabalhando com o fora da lei Deckard Shaw para combater um terrorista geneticamente melhorado que tem força sobre-humana. Trama curiosa né? O que Leitch faz bem nela é realizar cenas de ação dignas de finais de filmes de ação, nenhuma delas é ruim de se ver (as que possuem CGI, são as mais fracas) e todas são épicas, o problema é que o roteiro escrito por Chris Morgan (Deadpool 2) e Drew Pearce (Hotel Artemis) é fraco, ruim de dar dó. Piadas sem nexo, trama sem sentido e diálogos pra lá de tediosos são alguns dos problemas. Se você não liga pra isso, o filme deve agradar bastante, caso contrário…

Os atores Dwayne “The Rock” Johnson (Arranha-Céu) e Jason Statham (Os Mercenários), reprisam seus personagens Luke Hobbs e Deckard Shaw e matam no peito a responsabilidade de carregar o filme nas costas. Hobbs e Shaw passam 60% do longa trocando divertidos insultos e provocações. Vanessa Kirby (Missão Impossível: Efeito Fallout) até ajuda na tarefa de fazer o filme empolgar com sua beleza e carisma, mas o vilão de Idris Elba (Mandela) vem pra atrapalhar e nada acrescenta com seus diálogos tediosos e com motivações recicladas de outros filmes (acho que Thanos abriu uma escola de genocidas). As participações especiais, que não direi quais para não estragar a surpresa, são divertidas e pra lá de bem vindas (pena que duram pouco).


Num resumo honesto, Velozes e Furiosos: Hobbs & Shaw não passa nenhuma mensagem, usa e abusa de vários clichês, possui um roteiro cheio de furos. Mas apesar disso tudo, diverte! Principalmente pelas atuações de The Rock e Statham e as cenas de ação. Se você gosta de filmes assim, desligue a mente e se divirta. Caso contrário, passe bem longe desse filme e guarde seu dinheiro pra ver o 9º capítulo da franquia original.

Obs: O Filme possui duas cenas pós créditos, uma no meio e outra no fim.

NOTA
Hiccaro Rodrigueshttps://estacaonerd.com
Eu ia falar um monte de coisa aqui sobre mim, mas melhor não pois eu gosto de mistérios.

Deixe sua opinião!

INSTAGRAM

AS MAIS LIDAS

Os 10 melhores filmes de 2018

A cada ano que passa somos surpreendidos com filmes cada vez melhores. Muitos, claro, já são aguardados por serem alguma continuação. Outros são ótimas...

Os filmes mais esperados de 2019

Primeiro dia do ano, mas já tem gente fazendo planos futuros pras estreias que acontecerão no cinema. Algumas delas, aguardadas desde 2018! Confira nossa lista...