ter, 20 fevereiro 2024

Crítica | Wonka

Publicidade

Baseado no extraordinário personagem principal de A Fantástica Fábrica de Chocolates, o mais celebrado livro infantil de Roald Dahl, e um dos livros para crianças mais vendidos de todos os tempos, Wonka conta a maravilhosa história de como o maior inventor, mágico e fabricante de chocolate do mundo se tornou o amado Willy Wonka que todos conhecemos hoje.

Várias facetas de Willy Wonka já foram abordadas no cinema; a primeira delas foi vista em A Fantástica Fábrica de Chocolate (1971) e mostrou ao espectador uma versão histérica, cativante e em alguns momentos perversa de Wonka que foi vivida brilhantemente por Gene Wilder (Banzé no Oeste). Já no remake de 2005, tivemos Johnny Depp (Piratas do Caribe) dando vida a um Wonka mais excêntrico e refinado. Em 2023, veremos a terceira versão de um mesmo personagem, que agora é interpretado por Timothée Chalamet (Duna).

Divulgação

Essa versão apresentada por Chalamet de Wonka é a melhor de todas as vistas até o momento. O motivo se deve em como o ator constrói o personagem, com o auxílio do roteiro. Vemos durante a história um jovem bondoso, carismático, ingênuo e apaixonado pelo que faz. Esse amor pelo ofício de chocolateiro é o que move ele e a trama. No roteiro escrito pelo diretor Paul King (As Aventuras de Paddington), podemos conhecer mais do passado do jovem que viveu sete anos viajando ao redor do mundo, para criar espetaculares receitas com o único intuito de realizar seu sonho: mostrar ao mundo seus doces e dividir o prazer de saboreá-los com todos ao seu redor. Além de conhecer, o que move o protagonista o roteiro desenvolve as motivações dos demais personagens coadjuvantes e mostra como a relação entre eles e Wonka, influenciam o protagonista a construir a maior (e melhor) fábrica de chocolates do planeta.

Publicidade

A história irá conquistar o espectador já nos primeiros cinco minutos, ao apresentar o mundo pelo olhar infantil e contagiante de Wonka. A montagem faz os 116 minutos de duração passarem voando. As músicas usadas para desenvolver a história são criativas e muito boas, mas não conseguem ser memoráveis, sendo essa talvez seja a única “falha” do filme, que conta com uma fotografia vibrante, efeitos especiais muito bem aplicados (as cenas com a girafa criada em CGI são impecáveis) e por fim, um excelente design de produção que abusa de elemento vitorianos para construir seus incríveis cenários. Além disso, cabelos, maquiagem e os figurinos são dignos de indicação ao Oscar 2024.

Total Film / Divulgação

Se o filme diverte e comove na medida certa, parte disso se deve ao trabalho do elenco que foi sabiamente escolhido por King. Os atores estão excelentes em suas cenas e tem espaço para brilhar ao lado do protagonista. Sally Hawkins (A Forma da Água), Olivia Colman (A Favorita), Keegan-Michael Key (Super Mario Bros.: O Filme) e Hugh Grant (Esquema de Risco: Operação Fortune), são alguns dos destaques do filme, além de Chalamet que está radiante em sua atuação.

Wonka é um filme divertido, estimulante e impecavelmente cativante. Um verdadeiro presente de fim de ano para os amantes do cinema e da obra de Roald Dahl! Assista o quanto antes e se delicie, sem moderação, com esta produção.

Publicidade

Publicidade

Destaque

Crítica | Todos Nós Desconhecidos (All of Us Strangers)

Escrito e dirigido por Andrew Haigh (Looking), All of...

Semana do Cinema: Cinemark participa da primeira edição de 2024 com ingressos por R$12

A Cinemark é uma das redes exibidoras participantes da próxima edição...

Crítica | Bom Dia, Verônica (3ª Temporada)

Após desvendar o esquema de crimes de Matias e...
Hiccaro Rodrigues
Hiccaro Rodrigueshttps://estacaonerd.com
Eu ia falar um monte de coisa aqui sobre mim, mas melhor não pois eu gosto de mistérios. Contato: [email protected]
Baseado no extraordinário personagem principal de A Fantástica Fábrica de Chocolates, o mais celebrado livro infantil de Roald Dahl, e um dos livros para crianças mais vendidos de todos os tempos, Wonka conta a maravilhosa história de como o maior inventor, mágico e fabricante...Crítica | Wonka