ALERTA DE SPOILER: SE VOCÊ NÃO QUER SABER O QUE ACONTECEU NO PRIMEIRO EPISÓDIO DA SÉTIMA TEMPORADA, NÃO PROSSIGA!

São poucas as séries da atualidade que conseguem equilibrar expectativa versus realidade como “The Walking Dead” fez neste domingo (23). Ao retornar para sua sétima temporada, a atração, exibida pela AMC nos EUA e simultaneamente no Brasil pelo Canal Fox, não só cumpriu a promessa de dilacerar um personagem querido de sua trama, como fez isso em dose dupla. E ainda aproveitou para estabelecer o vilão que tem tudo para ser o mais tenebroso de sua mitologia.

Já esperada pelos fãs, a morte de Glenn (Steven Yeun), personagem que também morreu nos quadrinhos em que “The Walking Dead” é inspirada”, não chegou a ser surpreendente. O que fez muita gente perder o fôlego foi o modo pesadíssimo como Negan (Jeffrey Dean Morgan) conduziu sua primeira carnificina.

Não foi só uma questão de desferir golpes de Lucille, o taco de beisebol carinhosamente chamado de “minha menina”, mas também do tom macabro que o vilão trouxe para a história. “Seu olho até pulou para fora”, divertiu-se, destruindo o cérebro de Glenn, com os gritos de agonia de Maggie (Lauren Cohen), a namorada grávida do personagem, como trilha sonora.

glen "The Walking Dead" volta com sofrimento, dor e desespero para os fãs

Menos impactante, a despedida de Abraham (Michael Cudlitz), também com pauladas, cumpriu seu papel: mostrar que Negan veio para acabar até mesmo com o mais macho alfa dos sobreviventes. Nesse sentido, foi interessante ver a impermeabilidade do vilão ao ouvir um “chupa meu pau” de sua vítima com a cabeça recém atacada. Ali soubemos que Negan não é qualquer bad boy. O sadismo está acima da maldade e do poder, e, nas palavras dele: “Bem-vindos a um novo começo, seus desgraçados”.

Em uma virada que surpreendeu até mesmo os fãs mais conformados com tragédias, o vilão humilhou Rick, obrigando-o a quase decepar o braço do próprio filho, Carl (Chandler Riggs), não sem antes comparar a amputação ao corte de uma “fatia de salame”.

“Hoje foi um dia produtivo”, disse ele, que ainda levou Daryl (Norman Reedus) como refém e prometeu cortar o adorado motoqueiro em pedacinhos.

Embora trágico, o episódio não deixou de ser recompensador, mérito total de Maggie. Grávida e prestes a perder o filho, ela chamou a culpa de os sobreviventes terem sido capturados por Negan na floresta para si. Apesar da ameaça de Rick e do ataque pouco eficaz de Daryl, foi dela a voz de resistência que tirou personagens e espectadores da paralisação. “Precisamos ir atrás dele”, disse ela, num misto de transe e desejo de vingança.

Violenta, surpreendente e emocionante na medida certa, “The Walking Dead” encerrou seu retorno deixando os fãs tão famintos (por episódios) quanto o zumbi cambaleante da cena final por restos mortais. Que venham os próximos.